Propaganda enlatada

[tweetmeme source=”brenobrito” only_single=false]

O Brasil, apesar de um grande exportador de telenovelas, é também um grande importador de enlatados: filmes, desenhos, reality shows, séries, etc. Mas muitos desses programas, produzidos na maior parte nos EUA, perdem totalmente o contexto quando são exibidos nas telinhas tupiniquins. Nessas séries americanas, por exemplo, quantas piadas são totalmente sem graça para nós? Acontece a cena, sons de risadas ecoam no BG e nós ficamos aqui sem se quer esboçar um sorriso. Isso acontece não porque sejamos ignorantes demais para entender a piada, e sim porque estamos num mundo distante daquele onde a situação foi inserida, deixando a piada sem sentido.

O mesmo ocorre com as “propagandas enlatadas”. O Brasil, mesmo tendo uma das três melhores propagandas do mundo, vem importando bastante comerciais ultimamente. Isso tem acontecido porque alguns anunciantes multinacionais acreditam que é mais barato produzir uma só campanha em Chicago ou Londres e veiculá-la no resto mundo. Mas a eficácia desse tipo de “campanha econômica” pode ser comprometida, afinal, é muito difícil agradar e convencer suecos, coreanos, turcos e brasileiros com uma mesma campanha. Porém, como é difícil mensurar quanto uma campanha adaptada vende a menos que uma campanha local, muitas empresas continuarão insistindo em “campanhas globalizadas”, e o pobre do consumidor é obrigado a assistir produções bizarras. Exemplo disso são os três casos de propagandas enlatadas veiculadas por aqui recentemente.

Comecemos pela campanha dos sabonetes Lux, onde percebemos nitidamente a dublagem das mulheres que falam “sou uma diva”, mas a boca delas não nega o “soy una diba”. Fora que a idéia não passa nenhum conteúdo concreto, fazendo até uma apologia a poligamia, estimulando as mulheres a reservarem metade do armário para as roupas e a outra para os amantes. Sabemos que na nossa cultura, uma mulher que trai o marido e possui vários homens não possui uma boa reputação na sociedade.

Temos também um comercial da Loreal, cujo produto não me recordo o nome, mas que assim como no primeiro exemplo, tem uma dublagem totalmente desincronizada. A modelo do VT tem aparência nórdica: pele muito alva, rosto quadrado e expressões européias, bem distantes do padrão brasileiro de mulher. A linguagem da propaganda é fria, num contexto onde se deveria envolver gingado, alegria, simpatia, dentre outras características que lembrem as mulheres brasileiras.

No terceiro exemplo de propaganda enlatada, temos o comercial da Coca-Cola, originalmente produzido na Argentina, que mostra uma série de situações em que pessoas merecem um aplauso por terem tomado determinadas atitudes: “um aplauso para aquele que vai embora do trabalho antes do chefe, sem culpa” “e para aquele que decidiu largar tudo e abrir um bar na praia.” Tudo soa muito artificial: as casas, roupas e pessoas que aparecem no filme não existem por aqui. A sensação ao assistir esse tipo de campanha é algo do tipo: “em que mundo eu estou?” Tudo parece muito distante da realidade e é aí que mora o perigo da eficácia da comunicação. Será que o consumidor vai sentir a mesma atração pelo produto, quanto sentiria em uma propaganda mais próxima dele, que falasse a língua dele, em que ele se “enxergasse” na telinha?

Além do que, a propaganda importada diminui os empregos, ignora a criatividade do publicitário brasileiro e desrespeita a cultura do nosso país. É preciso que as “múltis” que utilizam desse artifício, abram os olhos e se conscientizem de que a verdadeira propaganda deve refletir o mundo no qual seus consumidores estão. Portanto, um aplauso para aqueles anunciantes que não veiculam propaganda enlatada!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s